21 de julho de 2024
Ark Therapeutic BrasilProfissionais e Clínicas

Salivação excessiva ou Baba – Como abordar e direcionar as causas

Babar é um processo normal durante a infância e, em alguns casos, todas idades, pois a erupção dentária causa aumento da produção de saliva. Esse excesso de saliva pode ser difícil para o bebê/criança pequena controlar e, portanto, pode escorrer pela boca. Passado esse estágio normal, entretanto, a baba pode se tornar um problema social e de desenvolvimento. Neste artigo vamos tratar como abordar e direcionar as causas da salivação excessiva.

Antes de iniciar qualquer programa de remediação de baba, há muitos fatores que precisam ser levados em consideração, incluindo a cognição do indivíduo, problemas dentários, consciência, tônus ​​muscular dos lábios, língua e mandíbula, sensibilidade oral, etc.:

Observe algumas questões abaixo:

  • Há algum problema médico presente? Um otorrinolaringologista deve ser capaz de examinar o indivíduo em busca de amígdalas, adenóides, seios da face e/ou glândulas salivares aumentados, que pode estar contribuindo para a salivação excessiva.
  • O indivíduo é respira pela boca? Tem alergias? Problemas de sinusite? Problemas dentários? Respirar pela boca também pode contribuir para a baba.
  • Seu paciente se distrai facilmente? As distrações tornam mais difícil prestar atenção ao acúmulo de saliva na boca, portanto, pode significar que ele engolirá com menos frequência.
  • A pessoa tem problemas sensoriais? Nesse caso, ele/ela não será capaz de entender a informação que chega através dos sentidos. Por exemplo, a consciência oral limitada significa que o indivíduo não sente o acúmulo de saliva, o que por sua vez, significa que a saliva se acumulará na boca em vez de provocar a deglutição. Se for esse o caso, clique aqui para obter mais informações sobre como normalizar as sensibilidades na boca.
  • Como é a postura e o posicionamento do indivíduo? A cabeça está inclinada para baixo com os lábios separados? Isso pode estar permitindo que a saliva se acumule e derrame. Consulte um fisioterapeuta e um terapeuta ocupacional para verificar o controle adequado do tronco, suporte adequado para a cabeça e pés ancorados.
  • O paciente apresenta tom baixo nos lábios, mandíbula e/ou língua? A criança apresenta postura de boca aberta com língua para frente? Em uma posição normal de repouso do mecanismo oral, a ponta da língua deve estar apoiada no rebordo alveolar com a mandíbula em posição elevada, os dentes quase fechados e os lábios juntos. Caso precise, é bom consultar um fonoaudiólogo para ver se o tom baixo está afetando uma ou todas essas características.  Exercícios motores orais também podem ajudar (trabalhando no  fechamento dos lábios ,  na força da mandíbula ,  na retração da língua , etc.) com a baba.

Atividades que podem ser trabalhadas para o controle da baba

Há muitos fatores que podem estar contribuindo para o comportamento de babar. No entanto, a baba pode ser controlada, diminuída e, às vezes, até eliminada completamente. Abaixo estão algumas etapas para trabalhar:

• Estabeleça a compreensão dos opostos molhado e seco. Identifique objetos que estão molhados, colocando eles na água. Em seguida, fale sobre eles estarem molhados. Coloque na palmas das mãos., para que possa senti-lo. Após fazer isso, mostre como é estar seco. Continue a verbalizar as palavras molhado/seco no máximo de situações possíveis, mas mostre fisicamente para que o paciente SINTA o que significa estar molhado/seco.

• Se o paciente for não-verbal, uma vez que o indivíduo entenda os conceitos, gosto de trabalhar imagens de molhado/seco. Tenha as imagens prontas para a próxima etapa. Você pode fazer desenhos como os abaixo, mas se o indivíduo usar um dispositivo de comunicação, você poderá desenhar as imagens a partir dele para obter consistência. Coloque as imagens em um protetor para evitar que se molhem.

Babando - Como direcionar e abordar as causas
  • Depois de trabalhar os conceitos de molhado/seco no sentido geral, gosto de passar ao queixo. Pergunte: “Seu queixo está molhado?”. Especifique o queixo (não a boca), pois a baba desce mais abaixo da boca. Contudo, instrua a pessoa a apontar para a imagem apropriada de molhado ou seco. Certifique-se de que as imagens estejam separadas umas das outras para garantir respostas corretas. Se estiver molhado, forneça-lhe uma toalha para se secar. Quando o queixo estiver seco, pergunte: “Seu queixo está molhado ou seco?” Aguarde uma resposta e, em seguida, repita o processo. Use um espelho para feedback visual para demonstrar molhado/seco. Seja paciente e lembre-se que estar molhado é normal para ele.
  • Depois que o indivíduo responder consistentemente e corretamente a essas perguntas, prossiga para a deglutição. Faça com que a pessoa sinta que você engole e sinta isso em si mesma também. Peça ao indivíduo que tome um gole de líquido gelado e instrua-o a fazer a deglutição (o líquido gelado aumenta a consciência). Use a palavra “engolir” frequentemente para ensiná-la e reforçá-la.
  • Use uma dica visual como lembrete para ajudar o indivíduo a lembrar de engolir. Uma deixa é importante para que você não precise ficar repetindo “Engole, você precisa engolir”. Gosto de limpar a lateral do nariz com o dedo indicador, o que mostrou ser muito útil.
  • Assim que a pessoa compreender o que significa engolir, peça-lhe que engula um gole de água. Forneça a ele uma dica visual ou tátil. Depois, peça-lhe que engula mais uma vez, sem água. Isso é chamado de deglutição seca, que vai ensinar o indivíduo a engolir sem beber nada. Às vezes o indivíduo pensa que só engole quando tem que beber. Deglutir sob comando ensina o controle da deglutição para que quando for necessário engolir saliva ele consiga. Vá e volte entre engolir molhado e seco.
  • Para coletar saliva na boca, utiliza-se uma ação de sucção. Dessa forma, você tensiona as bochechas, os lábios e a língua, o que faz com que a saliva se acumule no meio da língua para engolir. Portanto, usar canudos pode ser útil no ensino deste conceito/habilidade.
  • Talvez você também precise trabalhar a consciência, a força e o controle da mandíbula. Por exemplo, os músculos masseteres são os músculos que ficam salientes quando fechamos os dentes. Trabalhar esses músculos pode ajudar a manter a mandíbula em uma posição elevada e fechada. Faça com que o indivíduo sinta a protuberância do masseter em sua mandíbula quando você fecha os dentes e, em seguida, peça-lhe que sinta sua própria mandíbula. Aperte e relaxe para sentir a diferença. Ele/ela pode sentir isso aparecer? Se você deseja ver exercícios adicionais de força da mandíbula, clique aqui .
  • Crie o hábito de trabalhar a baba, mas lembre-se de que pode levar meses para ver o progresso. Elogie, elogie, elogie. Seja positivo: “Oh, gostei da maneira como você se enxugou/permaneceu seco!” Use recompensas que sejam prioritárias para a criança, não necessariamente para você.
  • A alimentação nasogástrica e gastrointestinal pode tornar o problema da salivação ainda mais difícil. A alimentação oral deve ser ensinada primeiro, MAS as técnicas acima também podem ser incorporadas ao programa de tratamento ao mesmo tempo.
  • Um recurso excelente e indispensável é Como parar de babar, de Pam Marshalla. É uma leitura rápida e suas etapas progressivas são descritas de forma concisa e definitivamente fáceis de usar.

Post relacionado: Salivação Excessiva – Encontrando a causa raiz do problema


* Texto original escrito por Debra C. Lowsky, MS, CCC-SLP – no Blog Oficial da Ark Therapeutic dos EUA. A Falconn Distribuidora e Importadora é uma empresa que faz parte do grupo da BmB Terapêuticos. A Falconn é a distribuidora oficial da Ark Therapeutic no Brasil. Portanto, ambas as empresas são autorizadas a replicar os conteúdos oficiais da Ark Therapeutic no em português, no Brasil.

Debra C. Lowsky

Sobre a autora do post:

Debra C. Lowsky, MS, CCC-SLP

***Todo o conteúdo deste site, incluindo opinião médica e qualquer outra informação relacionada à saúde, é apenas para fins informativos e não deve ser considerado como um diagnóstico específico ou plano de tratamento para qualquer situação individual. O uso deste site e as informações contidas neste documento não criam uma relação médico-paciente. Sempre procure o conselho direto de seu próprio médico em relação a quaisquer perguntas ou problemas que você possa ter em relação à sua própria saúde ou à saúde dos outros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *